quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Western, Faroeste, Bang Bang...


A maioria das pessoas de minha idade que conheço não tem um repertório ou não gosta muito de faroeste... Mas tenho uma tese idiota de que não gostam porque não conhecem. Toda vez que convido alguém pra ver um clássico de John Ford, lá vem as desculpas: "filme velho, ainda mais em P&B, credo!" e por aí vai... Mas depois, quando o filme acaba, pedem mais... Bem... o fato é que vi estes dias "O Homem dos Olhos Frios"( The Tin Star, 1957) de Anthony Mann com Henry Fonda e Anthony Perkins (sim, o Norman Bates de Psicose, do bom e velho Hitch). História simples: um caçador de recompensas ajuda a um jovem Xerife as artinhas do ofício. IMPERDÍVEL. Há muito não via faroeste clássico daqueles que passavam na "Sessão da Tarde" da década de 70. Tô ficando velho... Aqui as informações disponíveis num Blog bem bacana sobre este gênero e com nome apropriado: "No Tempo das Diligências". Abaixo um trecho do filme.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Camiseta para detectar Wi-Fi


Sinceramente, acho que vou encomendar uma pra mim... Vivo procurando redes Wi-Fi com meu Smarthphone... Mas com essa camiseta... Vai ser muit mais fácil... Custa R$ 69,90 no site da Asiatronic. Abaixo o vídeo.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

1001 Discos (CDs, Vinis) para ouvir antes de morrer

Pra quem tá com tempo e vontade de criar um super repertório musical indico o livro (e outras coisa mais a frente) 1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer, editado por Robert Zimery. Como toda lista existem polêmicas, mas acho a iniciativa bacana. Já tive o livro em minhas mãos na casa de meu amigo Trivela e passamos uma tarde discutindo as escolhas. Ótimo passatempo para um churrasco em sábado chuvoso ( e olha que tava o maoir solão!). Para quem tiver a Santa Paciência existem links para baixar todos os arquivos no NOBRASIL.ORG . Mas tem uma altenativa mais interessante: A Rádio 3 NET da Romênia disponibiliza todos os arquivos e letras AQUI NESTE LINK. Abaixo uma entrevista com o editor publicada no Jornal do Brasil.

- Primeiro, as questões básicas. Quando surgiu a idéia de fazer o livro? E como o conceito do livro foi se desenvolvendo, à medida em que você compilava os verbetes?
Robert: Bem, a idéia surgiu há cerca de três anos. Sempre soubemos que o livro iria girar em torno do rock - quer dizer, o tipo de música popular baseada em guitarras, que tem dominado as paradas mundiais de forma constante desde a década de 1950. E esse conceito básico permaneceu intocado até o final. Entretanto, queríamos muito citar alguns álbuns-chave de outros gêneros, que pudessem ser um modo de as pessoas conhecerem outras formas de música. Então você vai achar Frank Sinatra, Ravi Shankar, Manu Chao, Stan Getz e Miles Davis ao lado de Guns N'Roses, The Smiths e White Stripes.

- E como os colaboradores foram escolhidos?
Robert: Trabalhei com alguns dos colaboradores americanos e britânicos, então apenas liguei para eles e os convidei. Mas queríamos fazer um apanhado bom de escritores de outros países, então acionamos pessoas que pudessem contactar jornalistas que escrevessem em fanzines, revistas, sites e jornais mundo afora. Conseguimos jornalistas musicais da Espanha, Hungria, África do Sul e Austrália, por exemplo, o que ajudou a formar uma base mais internacional para a compilação. Acho que há muitos artigos realmente bons, apaixonados na lista - o tipo de texto que faz o leitor ter vontade de sair correndo atrás dos discos citados!

- Listas de “melhores discos de todos os tempos” são facilmente encontráveis em revistas e sites. Você se diverte lendo-as?
Robert: Sim, eu gosto dessas listas todas. Afinal, eu sou um quarentão fã de música, e nossa tribo ama ler e fazer listas. Aquele filme Alta fidelidade é dolorosamente fiel à realidade!

- Diria que 1001 discos… é a “lista para acabar com todas as listas?”, então? O que, em sua opinião, o faz acreditar que o livro pode se destacar no meio de tantas outras listas?
Robert: Eu provavelmente não escolheria os mesmos 1001 discos se estivesse fazendo o livro agora. O gosto da gente muda o tempo todo. Mas acho que o livro é um excelente ponto de partida para se descobrir mais sobre um pouco da melhor música pop feita nos últimos 50 anos. Acho que o livro se destaca das outras listas porque tentamos cobrir territórios menos previsíveis, juntamente com os inevitáveis Beatles, Dylan e Radiohead de sempre. Eu quis incluir coisas bem inusitadas - disquinhos que não venderam muito quando saíram, material de pequenas bandas independentes, álbuns que não se encaixam em gêneros ou classificações fáceis. Por último, sei que sou suspeito para falar, mas o livro ficou realmente bonito. Muito mais que a maioria dos outros volumes similares, que costumam ter apenas texto, sem fotos. O design foi criado por um cara chamado Tristan de Lancey, que tinha algumas idéias bem decididas sobre como o visual do livro deveria ser. Ele fez um grande trabalho.

- Já ouviu todos os discos incluídos na lista? Quantos deles você possui, e quais são seus favoritos?
Robert: Não, não cheguei a escutar um por um. Embora, se conseguisse uns seis meses de folga num futuro próximo, possa tentar! Devo ter cerca de um terço dos discos que aparecem no livro. Mas é claro que editar um livro como esse realmente te inspira a procurar por nova música. Meus favoritos? Hmm, difícil! Sempre tive uma queda por guitarras jingly-jangly, como os Byrds ou The LA’s. Também dou uma nota alta a Rufus Wainwright, um compositor realmente talentoso. E os Pixies foram os Beatles de sua geração, ainda gosto muito deles.

- E quais dos discos citados você não suporta?
Robert: Odiaria ter de falar mal de qualquer um dos discos da lista! Acho que em cada um dos álbuns citados há alguma coisa interessante, de Britney Spears ao Einstürzende Neubauten, passando pelo Arcade Fire.

- Por outro lado, quais discos surgiram como surpresas agradáveis - álbuns os quais você nunca tinha ouvido e descobriu enquanto fazia o livro?
Robert: Diria que Sam Cooke é hoje essencial para mim. E o Live at the Star Club Hamburg, de Jerry Lee Lewis, é o mais definitivo disco de rock’n'roll que alguém pode querer ouvir. Já conhecia ambos os cantores antes de começar o livro, claro, mas os considerava artistas de singles. Não sabia que podiam produzir álbuns tão consistentes, também. Eu provavelmente incluiria Night Beat, mais um de Cooke, se estivesse fazendo o livro agora. E Missy Elliot. O jeito como ela revigorou o hip hop é extraordinário, e eu não conhecia bem o trabalho dela antes de começar o livro.

- A lista de discos que emerge do livro é fortemente baseada em artistas americanos e ingleses. Mas há alguns brasileiros mencionados: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Carlinhos Brown. Você conhece o trabalho deles?
Robert: Tenho de admitir que meu conhecimento de música brasileira é muito limitado. Então foi excitante poder conhecer um pouco mais sobre os discos de seu país. Se o livro tivesse saído um ano mais tarde, me sentiria tentado a incluir o Cansei de Ser Sexy na lista; eles estão conseguindo um bom público por aqui. Já conhecia alguns dos discos clássicos de bossa nova, como o de Frank Sinatra com Tom Jobim. E adoro, adoro, adoro os Mutantes. Só no disco de estréia deles, há mais idéias do que na carreira inteira de muitas bandas. A mistura de vanguarda com pop que os Mutantes aperfeiçoaram é impossível de ser ignorada, e ainda influencia pessoas hoje em dia.

- Qual seria o “melhor uso” para 1001 discos…? Acha que o livro pode ser usado como ponto de partida para alguém que está apenas começando a conhecer música pop? Ou, ao contrário, seria mais adequado para os colecionadores incuráveis, que já possuem a maioria dos (ou quase todos) álbuns mencionados?
Robert: No fim das contas, o livro é realmente uma introdução, para pessoas que já sabem qual é seu tipo de música favorito, mas que querem expandir suas coleções em novas direções. Escolher a lista foi, como você pode imaginar, um grande problema! Há alguns discos no livro que são conhecidos pela maioria das pessoas, mas se não os tivéssemos incluído na lista, muita gente acharia que seria um jeito de “tirar onda”, excluindo discos clássicos. Como fazer uma lista dessas e não colocar Pet sounds ou Blonde on Blonde, por mais que todo mundo já conheça esses discos? Entretanto, sei que os jornalistas que colaboraram com o livro conseguiram acrescentar fatos novos e histórias surpreendentes em seus textos, mesmo quando escreviam sobre os discos mais manjados. Acho que é um livro bastante “pesquisável - você começa a ler sobre um disco e antes de perceber já vai estar pulando páginas, procurando por outro bem diferente. Agora, os leitores podem não concordar com todas as opiniões contidas no livro. Ou mesmo com o conjunto de discos que a lista representa. Mas se mesmo assim, o livro fizer com que as pessoas procurem e descubram mais música, então acho que nosso dever foi cumprido. O livro é só um ponto de partida, daí em diante é com o leitor.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Hermano Animado...

Você sabia que o primeiro longa-metragem de animação não foi "Branca de Neve" de Walt Disney? E se eu contar que foi uma filme produzido na Argentina? Pois é... O responsável por tal façanha foi Quirino Cristiani, um imigrante italiano, que aos quatro anos passou a viver em Buenos Aires e onde produziu em 1917 "El Apóstol", infelizmente perdido. Uma vida agitada essa do cidadão: Dá uma olhada nestas informações que surrupiei do Blog do Anima Mundi, o famoso festival de animação que acontece todo anos em São Paulo e Rio de Janeiro:

"Em 1917, o longa de animação pioneiro, “El Apóstol”, dirigido por Cristiani e produzido por Valle, estreou em Buenos Aires. O retrato satírico do presidente Yrigoyen fez tanto sucesso que mais tarde Cristiani abriu seu próprio estúdio, onde fez uma série de curtas-metragens. Nessa mesma época ele se tornou naturista, vegetariano e fundou a primeira colônia nudista da América Latina. Cristiani iniciou a década de 1930 com o primeiro longa-metragem sonoro de animação, “Peludópolis”, mais um filme que satirizava Yrigoyen. Infelizmente, esses dois longas foram destruídos em incêndios, um no estúdio de Valle e o outro no Laboratorios Cristiani, junto com outras obras do animador. Em 1941, Walt Disney chamou Cristiani para trabalhar em Hollywood, mas o animador recusou o convite. Cristiani mudou-se então para perto de Cordoba, onde passou o resto de sua vida."

Abaixo um trecho do programa "Ideas e Inventos " do Discovery Channel, exibido em 1993 e que conta com um bloco sobre Quirino.


Para contestar ainda aqueles que acreditam que "Branca de Neve" foi o primeiro longa de animação, dêem uma olhada em outro filme: " As Aventuras di Principe Achned" (1926) de Lotte Reineger (trailer logo abaixo). Segundo o Making Off:

"Lotte Reiniger recortou figuras de uma cartolina negra com um par de tesouras, e juntou partes móveis com outras de forma a animá-las. Durante os anos de 1923-26, em volta de 250,000 animações quadro a quadro foram feitas e 96,000 foram usadas no filme. Seu marido, Carl Koch, foi responsável pela fotografia de todos os seus filmes até sua morte em 1963. Este filme foi pioneiro na história do cinema, sendo o primeiro longa metragem de animação, embora muitos venha a considerar como o primeiro Branca de Neve de Walt Disney em 1932. - Embora haja vários registros históricos que o primeiro longa metragem tenha sido a sátira animada “El Apóstol” feito pelo imigrante italiano na Argentina Quirino Cristiani em 1917, não existe nenhuma cópia deste filme para provar já que todas foram perdidas em um incêndio nos Federico Valle's vaults em 1926."